No primeiro episódio de: Awake

2 mar

Série: Awake
Episódio: # 01 Pilot
Temporada: 1ª
Exibido em: 23/02/2012
Canal de Exibição: NBC
Spoilers: Sim
Chances de continuar assistindo: 1,5 em 5

Séries novas são sempre um prato cheio para escrever. Novos personagens, novas tramas, novas trilhas sonoras e, principalmente: velhas críticas.

A nova série da NBC, que traz o nome de Awake vem com todas essas características. Repleta de carinhas conhecidas em outras séries, a trama conta com um enredo complicado que deve ser descrito com cautela. Coisa que eu não tenho.

Então vamos direto ao ponto. Dividirei o post em duas partes. Elenco e trama

Elenco

Acho que o elenco é um dos pontos mais fortes da série. Além da Wilmer Valderrama (que você confere AQUI) a trama conta a história de Michael Britten (Jason Isaacs que já conhecido por fazer parte de Harry Potter, Elektra, o Terno de Um bilhão de dólares e Resident Evil.).

Além da dupla, a série também traz de volta às telas o ex Lost Dylan Minnette. Apesar de ter apenas 16 anos o jovem ator também deu às caras em The Mentalist, Two and half Man, Lie to Me, Supernatural e  Medium.

O elenco conta também com a participação de B. D. Wong que, assim como em Law and Order SVU, o asiático faz o papel de um psiquiatra. Além da série da Universal, o ator também participou de OZ e da continuação de Karate Kid.

Por fim, Laura Allen, que fez Terriers e mostrou o rostinho loiro em um episódio de Criminal Minds, House e CSI Miami.

Trama

A história de Awake vem para ser promissora. Depois de um acidente de carro com a família, o detetive Michael Britten  (Jason Isaacs) acorda em duas realidades paralelas. Em uma delas, o filho Rex (Dylan Minnette) não morreu no acidente, e eles vivem uma rotina regada por saudade da mãe e uma comunicação precária entre os dois.

Na outra a esposa Hannah (Laura Allen) não morreu, e a rotina é totalmente voltada para a morte do filho.

Complexo? Sim, e só piora.

Em cada rotina o policial convive com pessoas diferentes. Enquanto investiga um caso de homicídio de taxistas em uma das realidades, na outra o caso envolve o sequestro de uma criança. E pior, de alguma forma os casos se misturam e é preciso muita atenção para não perder o fio da meada.

Além disso, em cada uma das realidades Britten tem um parceiro policial diferente, além de terapeutas diferentes.

Nessas, fica impossível para o telespectador saber qual o que é realidade e o que é invenção do personagem. Ambos terapeutas jogam com o protagonista, acusando a outra realidade de ser a fictícia. A gente só acompanha e tenta julgar. Sem sucesso.

A série, que aparece como destaque na imprensa internacional como uma das mais fortes para a midseason 2012 levanta questões complexas dentro de uma trama semanal. A primeira delas é o prazo de validade, por quanto tempo a série aguenta esse ritmo maluco?

Outra delas é a complexidade do tema, alguns críticos acreditam que a dificuldade em entender a linha do tempo e assimilar realidades paralelas pode ser um agente negativo para o telespectador, que tende a deixar de acompanhar algo que desafie demais o relativo tempo/espaço.

Quando falamos de filmes, e ai dá para destacar a recente trama A Origem, a complexidade do tema se encaixa bem nas quase duas horas de duração. Somar ai pelo menos 18 horas enredo para uma temporada, eis o perigo.

A parte isso, o pano de fundo é bem comum. A investigação policial, a rotina com a esposa e o filho, as idas ao terapeuta. Nada que qualquer outra série policial não tenha explorado com exaustão.

Entre os destaques de atuação, Isaacs leva de longe o peso da série. Com um ar melancólico e diálogos interessantíssimos com os terapeutas, que o colocam em um entrave sensacional sobre distúrbio de personalidade, o personagem carrega o peso da série, sozinho.

Para exemplificar, fecho o post com a frase final de Britten que, pra mim, faz valer a pena os quarenta minutos:

“Sim, ainda vejo minha esposa e meu filho. E se você (o psicólogo) estiver dizendo que o preço de vê-los, senti-los e de tê-los em minha vida, é a minha sanidade. Eu pago com todo prazer”.

Se você tá afim de assistir, esta é a promo!

Obs: Awake é criação de Kyle Killen, que segue também como produtor executivo, ao lado de Howard Gordon e Jeffrey Reiner.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: