Planos de vingança

4 mar

Série: The Good Wife
Episódio: #16 Great Firewall
Temporada:
Canal de Exibição: CBS
Estrelas: 3 em 5

Enquanto Alicia continua um pouco avulsa (desde que Will omitiu o que realmente havia dito na mensagem apagada da caixa postal), então é mesmo o momento de The Good Wife se dedicar às tramas paralelas: neste último episódio acompanhamos a repercussão do escândalo da babá levantado no episódio anterior por Eli Gold, chefe de campanha do Peter, e, finalmente, a votação que decide se Diane ou Bond sairá da Lockhart, Gardner & Bond. O caso da semana é sobre um imigrante chinês (interpretado pelo Ken Leung, o Miles “falo com os mortos” de Lost) processando uma rede social que entregou seus dados pessoais para o governo chinês – e, por conta de seus comentários críticos contra o política de lá, foi preso e torturado. O interessante deste caso não chega ser a participação da advogada de dois episódios atrás, ou a própria atuação de Leung, mas justamente o fato de remeter ao episódio que “emulava” o filme A Rede Social, do David Fincher. E, em um dos diálogos mais emblemáticos desta temporada, Will Gardner responde ao questionamento da sempre correta (e esperta) Alicia.

Will: “Quem você conhece que esteja fazendo algo correto e pelos motivos corretos?  Eu adoraria conhecer alguém assim. E o meu palpite é de que, após cinco minutos de interrogatório, descobriremos que essa pessoa tem apenas os motivos errados.”

Alicia (horrorizada): “Você acredita nisso?”

Will: “Eu acredito. E se você refletir sobre tudo que aconteceu no último ano, acreditará também”.

O diálogo vem a calhar, encaixando-se em praticamente tudo que acontece em The Good Wife – onde más intenções podem dar consequência a boas oportunidades e onde, dependendo do caso, os fins justificam os meios. Em uma série onde o corruptível é extremamente tênue e onde os limites do bem e do mal são muito mais complicados que qualquer pensamento maniqueístas, ficamos à espera do dia que Alicia Florrick será obrigada a corromper a si própria – seja em seu casamento, seja em seu emprego.

O episódio focou desta vez na participação do filho da advogada na campanha de Peter – porque no fim das contas, Scott-Carr não foi tão abalada assim com o escândalo da babá imigrante ilegal – que descobriu que Glen Childs (inimigo direto de Peter e chefe de Cary, de quem falarei a seguir) também andou contratando gente que não deveria. Com a ajuda da intragável Becca, Zach descobre mais sobre o assunto e ajuda o pai a dar o ultimato em Childs. Enquanto isso, o subordinado de Childs, Cary, avisa Kalinda a respeito do cerco em torno dela estar se fechando (e confesso que já estou ficando impaciente com a trama de Kalinda, que anda travada há alguns episódios). Kalinda, se demonstrando agradecida pelo aviso de Cary, é pega de surpresa com uma atitude do rapaz. Considerando que ainda temos Blake no jogo, acontecimentos quentes podem vir por aí.

Ficamos ainda com o coração na mão no desfecho do episódio, que parece esfregar apenas uma palavra: vingança. Seja no rosto da pessoa expulsa do escritório Lockhart, Gardner & Bond (eu tenho a leve impressão de que vai rolar uma tentativa de assassinato no fim dessa temporada, é sério), seja na última cena do episódio, quando alguém pergunta “Você acha que a culpa é de Peter Florrick?”.

Tempos críticos estão por vir em The Good Wife.

Em tempo: America Ferrera não voltou neste episódio, mas está confirmada pra mais pelo menos dois episódios da série.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: